Subdominante Relativo
Nessa aula falaremos sobre o acorde formado sobre o 2º grau da escala.

Se considerarmos a tonalidade de Dó Maior (C) como exemplo, esse acorde será o Ré menor (Dm).

As funções assumidas por esse acorde são, geralmente, as mesmas do 4º grau, ou seja, a subdominante Fá Maior (F).

Se olharmos com calma veremos que Dm é a tonalidade relativa de Fá Maior, por isso damos o nome de subdominante relativa.

São acorde parecidos, com duas notas iguais (Fá e Lá), o que os torna muito semelhantes. O Dm não tem a mesma força que tem o Fá Maior (que é muito utilizado para criar os ápices das melodias).

O papel do Dm é justamente esse, exercer a função de subdominante mas sem chamar tanto a atenção para si mesmo.Ele se torna, dessa forma, uma alternativa muito interessante para preparar o caminho de volta para C, sem criar um ápice e preservar a utilização do F para momentos mais importantes da música.

Em muitos casos a utilização de um ou de outro se torna opcional, como no exemplo abaixo:
             C                                F                                                     G
FELICIDADE FOI-SE EMBORA E A SAUDADE NO MEU PEITO
                C
AINDA MORA

Nesse caso podemos substiuir o F por Dm sem problemas
              C                             Dm                                                    G
FELICIDADE FOI-SE EMBORA E A SAUDADE NO MEU PEITO
                C
AINDA MORA

Temos que entender que a voz canta uma nota LÁ na sílaba BO. Essa nota Lá pertence tanto ao Fá Maior (F) quanto ao Ré menor (Dm). Por isso podemos ficar livres para escolher o acorde sem perigo de gerar choque harmônico.

Lembrem-se sempre que estou dando os exemplos com base na tonalidade de Dó Maior (C). Se alterarmos a tonalidade todos os acordes serão alterados. É importante praticar em todas as tonalidades.


Matricule-se e veja todos os cursos!
Ao fezer sua assinatura você terá acesso a todos os nossos cursos.